segunda-feira, 12 de julho de 2010

Pearl Jam

Eu só fui lá ver uma banda. Não sou fã nº1, esse lugar é ocupado pelo senhor que passou o concerto todo a manifestar toda a sua alegria e não sei bem mais o quê atrás de mim. Ele sim é fã.,eu apenas gosto muito, muito.
O Eddie é um lamechas, começou logo a despedir-se de nós, depois lá cantou e disse mais umas pieguices, e lá cantou outravez e lá nos bajulou (a nós portugueses) mais um bocadinho.
Será que foi jogada, para o pessoal ficar ansioso pelo regresso que vai ser segundo ele,tão tão demorado?
Não sei...Mas eu gostei mesmo muito. Gostei da música, das letras, dele, especialmente dele.
Esta senhora descreveu tudo muito bem, fica a qui a noticia.


"As surpresas foram muitas e os corações mais frágeis poderão ter entrado em taquicardia.

“Português é muito difícil”, avisou Vedder, recorrendo a uma cábula para expressar um agradecimento directo aos portugueses: “Obrigado por virem ao nosso último show. Não será o último, mas é o último por muito tempo.” O público não gostou, assobiou, e Vedder garantiu que isso era uma coisa boa porque, assim, mais valia divertirem-se, pois não sabiam quando é que este momento se voltaria a repetir. O público aplaudiu.
Entre as músicas mais emblemáticas da banda e as para melómano recordar, ouviram-se “Just Breath”, “Black”, “Why Go”, “Daughter”, “Better Man” ou “Elderly Woman Behind The Counter In A Small Town”.
Vedder recordou que, nos últimos 10 anos, a banda começou e acabou várias digressões em Portugal, desfazendo-se em elogios ao público português: “Vocês são o público que melhor canta, quiçá, no planeta”.
Mas como elogios todas as bandas podem fazer, os Pearl Jam foram mais longe e brindaram os fãs com uma música inédita cujo refrão era “Portugal, Portugal”. O público emocionou-se, Vedder também.
Desfraldar a bandeira portuguesa foi o passo seguinte de um encore onde as emoções transbordaram dos dois lados do palco e onde “Alive” foi apenas mais uma das canções entoadas num longo coro.
De bandeira às costas, cigarro entalado nos lábios e garrafa de vinho tinto na mão, Eddie Vedder seguiu caminho para fora do palco rumo a um destino incógnito para os fãs portugueses, que apenas guardam a certeza de que tão cedo não o têm por cá. "

In Jn

5 comentários:

Nês disse...

Pois eu tb gostei mt do senhor :) Ele é mesmo "fufinho" eheh E eu n sabia quase letra nenhuma e olha q havia lá muita modinha q eu nunca tinha ouvido!

nini disse...

Olha agora a arrepiei-me a ouvir o que esta senhora escreveu.
Eu tb achei aquilo tudo muito lamechas, mas o que é certo é que foi mesmo bonito.
Olha e tb me lembro do individuo que estáva a trás de nós. Sabia tudo e fartou-se de berrar. Xiça, eu que queria ouvir o senhor Eddie e quase não conseguia!!

Mas concluído, foi bom, foi!

Acho que a companhia ajudou*

JU disse...

Daqui a uns anitos há mais :)

Filipe Salgado disse...

Deste texto, só concluo uma coisa:
"sou um lamechas"

Filipe Salgado disse...

Deste texto, só concluo uma coisa:
"sou um lamechas"